Poesia da palavra… (Marcelino Lira)

9 12 2009

Não quero ser Machado,

Brincando com o real,

Cutucando todo lado,

só ele magistral…

Não quero ser Pessoa,

brincando com as palavras,

Da poesia que  ecoa,

Qualquer que seja a lavra.

Não quero ser Azevedo,

Nem sua lápide ou flor,

Suas palavras dão medo,

Que refletem sua dor.

Não quero ser Caminha,

Em sua carta florida,

o Brasil por sua linha,

tenta retratar a vida.

Quem quer ser poeta,

e de poesia viver,

procura alcançar meta,

Sem, no entanto, se perder.

Não quer ser ninguém,

se não a si mesmo,

ler a outros convém,

ninguém se cria a esmo.

Subjetividade, eis o que busca,

a palavra é o meio,

objeto que ofusca,

é para a criança o seio.

Só tem uma regra,

para tornar-se  feliz,

lápis, papel e régua,

E tendo o que dizer: diz.

Anúncios

Ações

Information

One response

19 08 2010
Laura Freire

“Cutucando!”

Oh, jamais verei em uma poesia esse vocábulo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: